Eu sou contra a reforma da previdência do Crivella

Crivella e seu menino de recados, Paulo Messina, querem taxar em 11% a previdência dos aposentados da cidade! Vamos impedir! Assine e compartilhe!

6.566 pessoas já assinaram.
Ajude-nos a chegar em 8.000!
Clique para assinar

Na tarde do dia 20 de junho, a Câmara de Vereadores aprovou em primeira discussão o Projeto de Lei complementar Nº 59/2018, encaminhado pelo prefeito Crivella e operado na Câmara por Paulo Messina. As medidas propostas no projeto se apresentam sob a cortina de fumaça da “necessidade do saneamento e equilíbrio do sistema de previdência dos servidores municipais”. O pacote da Prefeitura, com palavras capciosas e números embaralhados, na verdade nada mais é que a retirada de direitos daquelas e daqueles trabalhadores que sustentaram a previdência com seu próprio suor.

A proposta de Crivella taxa em 11% a contribuição previdenciária sobre parte dos aposentados e pensionistas. Um absurdo! Por outro lado a prefeitura não cobra os maiores devedores do município como a Infraero, o Jockei Club, empresas de ônibus, bancos, etc. Isto é, a Reforma da Previdência municipal quer culpar o servidor pela falta de compromisso da Prefeitura com suas dívidas e obrigações perante ao Fundo Previdenciário, o FunPrevi.

A bancada do PSOL se posicionou contra esse ataque. Mostrando nossa coerência histórica e reafirmando nosso compromisso com os servidores públicos. Todavia, não nos contentamos em marcar posição. Ainda há tempo. Queremos derrotar a reforma do Crivella como os professores paulistas derrotaram o SAMPAPREV de Dória. Para isso, confiamos na mobilização dos profissionais de educação, dos servidores, dos trabalhadores, da juventude e contamos com a solidariedade dos movimentos sociais em luta da cidade.

Nossa proposta é concentrarmos todas as forças possíveis, dentro e fora do parlamento, para barrar a nefasta Lei Nº 59/2018. Neste dia 26 de junho, a mobilização popular pode fazer a diferença. Se você concorda com nossa posição, assine e compartilhe.