Por que a FIFA deixa que peçam paz para a Ucrânia, mas não deixa que peçam para a Palestina? É sobre racismo e xenofobia.

Hipocrisia, racismo e xenofobia na FIFA

2 mar 2022, 16:24 Tempo de leitura: 0 minutos, 46 segundos
Por que a FIFA deixa que peçam paz para a Ucrânia, mas não deixa que peçam para a Palestina? É sobre racismo e xenofobia.
David Miranda (Cada Minuto)

Em 2009, quando o jogador do Sevilla, Frederick Kanouté, conhecido por seu ativismo pela paz, mostrou uma camisa de apoio a Palestina, após uma série de bombardeios israelitas que mataram dezenas de crianças, a FIFA o deu a punição máxima, na época, de 3 mil euros por se manifestar politicamente. O jogador foi criticado e quase proibido de jogar algumas partidas.

A mesma FIFA, agora, mostra apoio aos jogadores que pedem paz a Rússia, sem qualquer tipo de crítica ou punição.

Pedir paz nunca deveria ser motivo de multa, mas a pergunta que fica é: Por que a FIFA deixa que peçam paz para a Ucrânia, mas não deixa que peçam para a Palestina?

A vida do povo palestino vale menos? Dos iraquianos, sírios e afegãos também?

Quem ganha com essa parcialidade racista e xenofóbica da maior instituição do Futebol?