Deputado David Miranda deixa o PSOL e anuncia filiação ao PDT

A formalização da mudança, anunciada em uma longa carta de despedida, deve ocorrer em março

22 jan 2022, 14:25 Tempo de leitura: 2 minutos, 2 segundos
Redação (Carta Capital)

O deputado federal David Miranda (RJ) anunciou nesta sábado 22 sua saída do PSOL após oito anos no partido. O parlamentar passa a integrar os quadros do PDT para apoiar a candidatura de Ciro Gomes.

Na longa carta de despedida, Miranda afirmou que sua migração para o PDT seria motivada pelo ‘resgate dos valores’ pelos quais entrou na política, em especial o ‘trabalhismo de Leonel Brizola’.

“A minha saída do PSOL – que será efetivada em março –, não significa uma ruptura com os atuais companheiros de luta – que continuo considerando aliados -, nem um afastamento dos valores que me levaram ao partido anos atrás. Pelo contrário, em diversos sentidos representa um retorno aos valores que me motivaram a entrar para a política, e uma oportunidade de renovação e radicalização deles”, escreveu o deputado na carta.

Ainda sobre o PDT, Miranda destacou acreditar que a sigla ‘é o partido de esquerda mais bem posicionado para superar a polarização atual, pois é o único com um candidato à Presidência com um projeto para o Brasil que não depende de pactos com aqueles que sempre foram e continuam sendo inimigos do povo”. Em seguida, o deputado reforçou seu apoio a candidatura de Ciro Gomes contra a ‘polarização’ representada por Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL).

Mais adiante, o parlamentar fez ainda as críticas ao PSOL e ao PT, em especial, pela aproximação dos dois partidos em torno da candidatura de Lula, em outubro deste ano.

“Não é hora de se submeter obedientemente ao PT e aceitar covardemente que um retorno ao passado é o melhor que podemos fazer pelo Brasil neste momento. É hora de ter coragem. E caso Lula venha a ser eleito, acredito ser ainda mais importante e necessária a articulação de uma oposição ao governo dentro do campo da esquerda. A oposição é do jogo democrático e não podemos deixá-la a cargo somente da direita sob o risco de continuarmos alimentando a mesma polarização atual”, destacou no texto de despedida.

A formalização da mudança, como destaca a nota, deve ocorrer em março. Além da carta, o deputado publicou um vídeo sobre a sua saída.