PSOL pedirá CPI para investigar empresas de Paulo Guedes em paraíso fiscal

Requeremos a abertura de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, por sua participação em uma empresa offshore localizada em paraíso fiscal.

4 out 2021, 11:15 Tempo de leitura: 2 minutos, 39 segundos
PSOL pedirá CPI para investigar empresas de Paulo Guedes em paraíso fiscal
O nome do ministro da Economia Paulo Guedes apareceu na investigação dos Pandora Papers Imagem: Adriano Machado/Reuters

A bancada do Psol na Câmara dos Deputados informou que irá apresentar requerimento para a abertura de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, por sua participação em uma empresa offshore localizada em paraíso fiscal.

O ministério afirmou que o membro do governo Bolsonaro declarou sua atuação no empreendimento à Receita Federal e aos demais órgãos competentes antes de assumir ao cargo.

A decisão do partido pela solicitação ocorreu depois da publicação de reportagens que tiveram origem na chamada “Pandora Papers”, investigação que inclui veículos de todo o mundo. Segundo a revista Piauí e o site Poder360, Guedes mantém uma empresa offshore nas lhas Virgens Britânicas.

O partido explicou que vai iniciar hoje a coleta de assinaturas para o requerimento e destacou que o “Código de Conduta da Alta Administração Federal proíbe, em seu artigo 5º, ‘investimento em bens cujo valor ou cotação possa ser afetado por decisão ou política governamental a respeito da qual a autoridade pública tenha informações privilegiadas'”.

Envolvimento de Guedes

No caso de Paulo Guedes, o site Poder 360 apontou que a atuação em uma decisão que alterou as regras para donos de offshores, quando se elevou o limite do valor depositado no exterior que precisa ser declarado às autoridades tributárias brasileiras, poderia representar um conflito de interesses.

A nota do Ministério da Economia não faz referência direta a esse caso, mas afirma que a atuação do ministro “sempre respeitou a legislação aplicável e se pautou pela ética e pela responsabilidade”.

“Desde que assumiu o cargo de Ministro da Economia, Paulo Guedes se desvinculou de toda a sua atuação no mercado privado, nos termos exigidos pela Comissão de Ética Pública, respeitando integralmente a legislação aplicada aos servidores públicos e ocupantes de cargos em comissão”, diz a nota.

“Cumpre destacar que o próprio Supremo Tribunal Federal já atestou a idoneidade e capacidade de Paulo Guedes exercer o cargo, no julgamento de ação proposta pelo PDT contra o Ministro da Economia”, completa.

Offshore

Offshore é o nome dado a empresas abertas em países que, geralmente, são considerados paraísos fiscais, onde a tributação não é tão pesada e o sigilo a dados bancários é mais forte que em outros Estados.

É permitido possuir offshores, desde que declaradas. No Brasil, é preciso informar a Receita Federal e também o Banco Central, caso os ativos da empresa ultrapassem US$ 1 milhão.

A existência destas offshores foi revelada pelo Pandora Papers, uma série de reportagens coordenada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês).

Os jornalistas identificaram mais de 27 mil offshores registradas em paraísos fiscais, especialmente nas Ilhas Virgens Britânicas, no Caribe. Há 1.897 brasileiros na lista. Os brasileiros detentores de offshores foram revelados pela revista Piauí e os sites Metrópoles, Poder 360 e Agência Pública.