Eduardo Leite recebe apoio, mas é criticado por parte da esquerda: ‘Foi a favor de um homofóbico’, diz Jean Wyllys

Governador do Rio Grande do Sul tornou pública sua orientação sexual, mas internautas lembraram que ele declarou voto em Jair Bolsonaro em 2018

2 jul 2021, 15:52 Tempo de leitura: 2 minutos, 18 segundos
Eduardo Leite recebe apoio, mas é criticado por parte da esquerda: ‘Foi a favor de um homofóbico’, diz Jean Wyllys
Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB)

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), tornou pública que é homossexual. O político falou ao programa “Conversa Com Bial”, da TV Globo, que vai ao ar nesta sexta-feira, 2. O posicionamento, no entanto, dividiu opiniões. O tucano recebeu apoio nas redes sociais e agradeceu as mensagens, mas foi criticado por alguns internautas e políticos de esquerda, que lembraram de seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2018. O ex-deputado federal Jean Wyllys, por exemplo, disse que Leite “teria coragem” se tivesse se assumido e se colocado ao lado da comunidade LGBTQIA+ quando Bolsonaro disseminava fake news como o “kit gay”. “Naquele momento o governador era cúmplice”, afirmou Wyllys nas redes sociais. “Enquanto o gay recém-saído do armário não expressar por ATOS e novas palavras que se arrepende de ter apoiado alegre e explicitamente um homofóbico racista que se revelou genocida, sua saída do armário não será, para mim, fonte de alegria acrítica. Não adianta. Não se questiona esse sujeito em nenhum momento por que ele apoiou explícita e alegremente um racista homofóbico que atua contra a comunidade. Apenas se elogia o sujeito”, completou.

Sem mencionar o nome de Eduardo Leite, o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) também se manifestou sobre o assunto. “Se ninguém falou, então vou falar. Não basta ser parte de uma população que é perseguida e assassinada todos os dias nesse país e apoiar quem defende essa violência contra a gente. Representatividade se dá em estar presente na política/comunidade”, escreveu. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), manifestou apoio ao colega de partido. “Admiração e respeito ao meu amigo Eduardo Leite”, disse. Já a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) afirmou que o posicionamento do governador do Rio Grande do Sul incomodou por ele ser “um político jovem, que construiu carreira promissora, sem precisar usar o fato de ser homossexual”. “Ele governa para todas as causas, porque tem competência para isso. Quando criticado, não alega homofobia. Capicci?”, escreveu a parlamentar.