Dia Mundial do Meio Ambiente: Manifesto vai pedir mais pressão internacional sobre governo Bolsonaro

5 jun 2021, 15:50 Tempo de leitura: 3 minutos, 29 segundos
Dia Mundial do Meio Ambiente: Manifesto vai pedir mais pressão internacional sobre governo Bolsonaro
Notícias (Yahoo)
Brazil. Fernando De Noronha. Pernambuco. (Photo by: Hermes Images/AGF/Universal Images Group via Getty Images)
Brazil. Fernando De Noronha. Pernambuco. (Photo by: Hermes Images/AGF/Universal Images Group via Getty Images)
  • Manifesto pede mais pressão internacional sobre governo Bolsonaro na preservação de biomas brasileiros
  • Documento será lançado hoje, no Dia Mundial do Meio Ambiente, durante uma live com a presença de diversos artistas
  • Iniciativa pede que acordos multilaterais com o Brasil sejam legalmente vinculados à proteção do clima e da biodiversidade

Neste sábado, 5 de junho, quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, entidades, políticos e artistas vão lançar um manifesto de apelo aos líderes mundiais para salvar biomas brasileiros ameaçados e, principalmente, para aumentar a pressão internacional sobre o governo federal. 

A iniciativa pede que acordos multilaterais com o Brasil sejam legalmente vinculados à proteção do clima, da biodiversidade e dos direitos humanos no país.

O manifesto será lançado durante a live “Pare pelo Meio Ambiente” – um alerta sobre a urgência de proteger a Floresta Amazônica, o Pantanal e outros biomas brasileiros ameaçados pela ação do homem.

Liderado pelo eurodeputado Francisco Guerreiro (Verdes/ALE), pelo deputado federal David Miranda (PSOL) e por Silvana Andrade, presidente da Agência de Notícias de Direitos Animais (ANDA), o evento já conta com o apoio dos artistas: Caetano Veloso, Daniela Mercury, Anitta, Astrid Fontenelle, Xuxa Meneghel, Lázaro Ramos, Alessandra Negrini, Samanta Schmütz, Alinne Moraes, além da ativista Luísa Mell e dos jornalistas Glenn Greenwald, Catarina Canelas e Patrícia Matos. 

Músico Caetano Veloso participa de um a favor da preservação da Floresta Amazônica
Músico Caetano Veloso é um dos artistas que apoia o manifesto que pede proteção dos biomas brasileiros ameaçados (Photo MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)

A líder indígena Sônia Guajajara, os músicos João Gil e Rogério Charraz, a professora e ativista indígena Célia Xakriaba e a Cristina Rodrigues, deputada da Assembleia da República de Portugal, vão participar. O cineasta Oliver Stone, Laerte e a atriz Leandra Leal também aderiram à iniciativa.

Endereçado a António Guterres, secretário-Geral das Organização das Nações Unidas (ONU), Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, e a Alberto Fernandez, presidente do Mercosul, o manifesto estimula os líderes mundiais, especialmente da União Europeia e Estados Unidos, a reverem os acordos comerciais com o Brasil enquanto não houver políticas sérias no país para preservar os biomas ameaçados e reduzir as emissões de CO2.

O documento cita dados do World Resources Institute sobre a perda de florestas tropicais primárias no mundo e o papel do Brasil nessa devastação. Em 2020, houve aumento de 12% no desmatamento desses biomas em relação ao ano anterior. Mais uma vez, o Brasil foi protagonista da destruição. Como o governo local é leniente com relação à proteção e preservação do meio ambiente, entre outras razões porque estimula o crescimento e a exploração comercial e porque nega as mudanças climáticas.

O resultado dessa falta de políticas de preservação pode ser verificado nos números. No ano passado, por exemplo, incêndios criminosos deram início às queimadas no Pantanal e destruíram 30% de um bioma extremamente rico porque abriga grande parte dos animais do Brasil e até então o mais preservado. A área queimada representa 4.490 mil hectares em todo o bioma.

O manifesto chama a atenção para o risco de exploração de petróleo no arquipélago de Fernando de Noronha, patrimônio natural mundial pela Unesco. Segundo Silvana Andrade, presidente da ANDA, é essencial chamar a atenção mundial para o risco de o país comprometer seriamente biomas tão importantes. “Por isso, a Anda se une ao parlamento europeu e ao deputado David Miranda para fazer um grande chamado no mundo para o ecocÍdio que o Brasil vem vivendo nos últimos anos.”

Com parceria da Mídia Ninja, a live será transmitida nos idiomas português e inglês, às 16 horas para o Brasil e às 20 horas para a Europa, através dos canais no Facebook e no YouTube da ANDA, do eurodeputado Francisco Guerreiro e da Mídia Ninja.