[o dia] David Miranda chamará embaixadora que bateu boca com Jean Wyllys a prestar esclarecimentos

25 de março de 2019 10h28

Parlamentar do PSOL, que assumiu cadeira de Wyllys, é membro da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional e irá protocolar pedido para que embaixadora e Ernesto Araújo prestem esclarecimentos após confusão na ONU

Rio – O deputado federal David Miranda (PSOL-RJ), que assumiu a cadeira de Jean Wyllys na Câmara, vai protocolar um requerimento convocando a embaixadora Maria Nazareth Farani Azevedo e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a prestarem esclarecimentos sobre a confusão envolvendo Jean Wyllys durante debate promovido pela ONU, em Genebra

Maria Nazareth interrompeu o evento, que tinha o ex-parlamentar do PSOL entre os convidados, para ler um discurso em que defendia o governo Bolsonaro. Um dos mediadores concedeu a Wyllys o direito de resposta, mas a embaixadora deixou o local sem ouvi-lo, sob olhares incrédulos. 

“Se a senhora gosta de debate, a senhora deveria ouvir a minha resposta. O fato de a senhora ter saído, inclusive, do seu lugar e ter vindo com um discurso pronto para esta sala é um sintoma, mesmo, de que a minha presença aqui amedronta a senhora e o seu governo”, respondeu o ex-deputado, aplaudido.

David Miranda era suplente de Jean Wyllys, que é do mesmo partido da vereadora assassinada Marielle Franco e decidiu abandonar o mandato por conta de diversas ameaças de morte. Bolsonaro e seu filho zombaram da decisão no Twitter

Miranda faz parte da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, e vai protocolar o pedido na próxima segunda-feira, junto com o deputado Glauber Braga, também do PSOL. 

“A atitude da embaixadora foi absolutamente inapropriada. Jean é um cidadão brasileiro, saiu do país porque o Estado não foi capaz de garantir o livre exercício de seu mandato. A embaixadora ataca Jean dessa forma quando deveria ser uma protetora de nossos cidadãos. O governo Bolsonaro nos envergonha em escala local e global”, afirmou David Miranda.

Por O Dia