[eu,rio] Embaixadora deve ser chamada para esclarecer discussão com Jean Wyllys

25 de março de 2019 10h42

Embaixadora deve ser chamada para esclarecer discussão com Jean Wyllys

Maria Nazareth afirmou que Jean Wyllys era uma vergonha para o país. Foto: Agência Senado/Divulgação

Na última sexta-feira (15), a Embaixadora do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU), Maria Nazareth Farani Azevedo, protagonizou uma discussão com o ex-deputado federal Jean Wyllys, em Genebra, na Suíça.

Na ocasião, durante a fala de Wyllys, Maria Nazareth afirmou que ele era uma vergonha para o país e se retirou do encontro enquanto o ex-parlamentar concluía o seu discurso. Um vídeo acabou circulando pelas redes sociais e gerou polêmica entre os internautas.

Diante da repercussão do fato, o deputado federal David Miranda, membro da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, e o deputado Glauber Braga, ambos do PSOL, convidarão a embaixadora para  prestar esclarecimentos sobre sua postura.

Nesta segunda-feira (18), o requerimento será protocolado na Comissão de Relações Exteriores, e também convocará Ernesto Araujo, ministro das Relações Exteriores do Brasil. Ao portal Eu,Rio!, David Miranda questionou a postura da representante brasileira.

“A atitude da embaixadora foi absolutamente inapropriada. Jean é um cidadão brasileiro, saiu do país porque o Estado não foi capaz de garantir o livre exercício de seu mandato. A embaixadora ataca Jean dessa forma quando deveria ser uma protetora de nossos cidadãos. O governo Bolsonaro nos envergonha em escala nacional e global”, afirmou o deputado.

O que disse a Delegação Brasileira

Depois do episódio envolvendo a embaixadora e Wyllys, o perfil oficial da delegação brasileira em Genebra publicou um posicionamento sobre o assunto juntamente com duas páginas de texto em inglês.

“No Conselho de Direitos Humanos, hoje, ao lado da Senadora Mara Gabrilli, defendemos a democracia brasileira e suas instituições. Na mesa, ex-deputado, vestido de vermelho, mostra sua incapacidade de aceitar o resultado das urnas”, escreveram.

O portal Eu,Rio! procurou a assessoria do Ministério das Relações Exteriores para tentar um posicionamento do órgão sobre a situação, mas até o fechamento desta matéria, não obteve nenhuma resposta.

Por Jonas Feliciano para Eu, Rio!