[correio braziliense] Conheça dois novatos no Congresso: David Miranda e Bispo Jorge Braz

01 de fevereiro de 2019 06h00

Saiba quem são os dois novatos do Congresso, um da causa LGBT e outro da bancada da Bíblia

(Foto: Reprodução/Twitter)

Negro, gay, ativista do movimento LGBT, jornalista e nascido em uma comunidade do Rio de Janeiro, o vereador David Miranda toma posse hoje na Câmara dos Deputados como um dos 10 parlamentares do PSol. Aos 33 anos, ele deixa a Câmara Municipal do Rio — para a qual foi eleito em 2016 — e chega ao Congresso para ocupar o lugar do deputado federal Jean Wyllys, que abriu mão do mandato e deixou o Brasil, porque estava sendo ameaçado de morte. Miranda recebeu 17.356 votos nas últimas eleições, o equivalente a 0,22% dos válidos, e garantiu a primeira suplência da sigla.

No dia em que Jean Wyllys comunicou a desistência dele do cargo, o presidente Jair Bolsonaro publicou em sua página oficial: “Grande dia”. A frase foi considerada, principalmente por políticos de esquerda, como uma reação ao anúncio de Wyllys. Em um “discurso” de estreia, Miranda respondeu ao chefe do Executivo: “Respeite o Jean, Jair, e segura sua empolgação. Sai um LGBT, mas entra outro, e que vem do Jacarezinho (comunidade do Rio). Outro que, em 2 anos, aprovou mais projetos do que você em 28. Nós nos vemos em Brasília”, postou.

Com dois anos de mandato, Miranda teve cerca de 20 projetos aprovados na Câmara carioca. Entre os quais, propostas que exigem direitos à população LGBT, como o que assegura a travestis, mulheres transexuais e homens trans o direito ao uso do nome social nos atos e procedimentos da Administração Direta e Indireta Municipal e a que estabelece diretrizes para a criação de Centros de Referência para a Atenção Integral à Saúde de Travestis, Transexuais e Transgêneros, com a finalidade de prestar assistência médica, psicológica e jurídica a eles e às suas famílias. “Nossa luta não é só por igualdade, é por nossas vidas. Eu sei da missão que tenho”, escreveu, após confirmada a saída de Jean Wyllys do Parlamento.

… e também para a bancada evangélica

… e também para a bancada evangélica

A bancada da Bíblia ganha hoje mais um integrante. O ex-vereador Bispo Jorge Braz é o suplente do apresentador e deputado Wagner Montes (PRB-RJ), que morreu no sábado, aos 64 anos. Ele estava internado havia dois meses no Hospital Barra D’Or para o tratamento de uma infecção urinária. A causa da morte foi choque séptico e sepse abdominal.

Ex-presidente do Procon Carioca, Braz conquistou 58.113 votos nas eleições, o que lhe garantiu a suplência na Casa. Bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, ele foi vereador no Rio durante três mandatos na Câmara Municipal. No mais recente, presidiu as comissões de Justiça e Redação. Em 12 anos como vereador, teve participação em 15 projetos, como um que obriga o fornecimento gratuito de café após as refeições em bares, restaurantes e estabelecimentos similares. Há, ainda, quatro que abordam temas religiosos, como o Dia do Obreiro Evangélico, homenagem aos fiéis que trabalham voluntariamente em cultos da Universal. Aprovada em 2014, a data é comemorada no terceiro domingo de agosto.

Filiado ao PRB, Braz integrou outros partidos, como o MDB e o PSB, legenda dele na última legislatura, que ocorreu entre janeiro de 2013 e dezembro de 2016. O parlamentar chegou a cursar física na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mas não concluiu a graduação. Depois disso, formou-se em teologia pela Faculdade de Educação Teológica de São Paulo e em estudos de política e estratégia pela Associação de Diplomatas da Escola Superior de Guerra.

Do Correio Braziliense