[extra] Presidente da Câmara não vai convocar sessão extraordinária no recesso

30 de julho de 2018 15h19

Vereadores voltam a se reunir depois de conversar com o presidente da Casa, Jorge Felippe (MDB)

A primeira estratégia para conseguir suspender o recesso parlamentar na Câmara do Rio já está descartada: Jorge Felippe (MDB) recusou o pedido para convocar uma sessão extraordinária.

Ao dar a negativa aos nove vereadores reunidos nesta segunda-feira (9) no velho Palácio Pedro Ernesto, o presidente da Casa explicou o motivo: não queria causar um constrangimento ou criar conflito de interesses, já que, depois da morte do vice-prefeito Fernando Mac Dowell, ele se tornou o primeiro na linha sucessória.

Agora, a estratégia é conseguir mais quatro assinaturas para invocar o Artigo 179 do Regimento Interno: com o apoio de um terço dos nobres, é possível suspender as férias.

O pessoal incluiu na conta outros quatro vereadores que devem assinar o requerimento, mas que não passaram pela Cinelândia nesta tarde: Luciana Novaes (PT), David Miranda (PSOL), Célio Lupparelli (DEM) e Átila Alexandre Nunes (MDB) — que, inclusive, protocolou um pedido de impeachment do prefeito Marcelo Crivella (PRB).

Fernando William (PDT) também propôs que a Procuradoria da Câmara seja acionada para analisar a reunião entre o alcaide e líderes religiosos e avaliar se houve ato de improbidade administrativo e crime de responsabilidade. A sugestão foi aceita.

Nove vereadores já assinaram o requerimento para convocar sessão extraordinária