Cresce 20% assassinatos de pessoas trans no Brasil no primeiro trimestre de 2018

29 de março de 2018 13h21

Primeiros 88 dias de 2018 registram 45 assassinatos de pessoas trans no Brasil!

Aninha, de 22 anos, foi encontrada decapitada em Colatina, no Espírito Santo.

O levantamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais mostra que a tragédia da morte de pessoas transgêneros no país está crescente em 2018. Até 29 de março deste o Brasil registra um aumento 20% (10 casos) no número de assassinatos em relação ao mesmo período de 2017. O ano passado encerrou com o assustador número de 179 pessoas trans assassinadas – o que significa mais do que uma pessoa trans morta a cada dois dias!

O Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo. Assustam a crueldade das agressões e a idade das vítimas. Só nos primeiros três meses de 2018, transexuais já foram mortas por estrangulamento, facadas, apedrejamentos, mutilações em órgãos genitais e muitos tiros.

A jovem Aninha, de 22 anos, foi encontrada morta decapitada e com os órgãos genitais mutilados em Colatina, no Espírito Santo, em 2 de fevereiro. Uma travesti não identificada foi morta com 27 tiros em Manaus, Amazonas, em 13 de fevereiro. Uma mulher transexual não identificada foi morta por tiros e seu corpo encontrado no mar com mutilações nos seios, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro!

Também espanta o silenciamento da imprensa, que não aborda o assunto com frequência, e muitas vezes quando o faz desrespeita a identidade de gênero das vítimas, expondo o nome de batismo e trocando o gênero!

A tragédia da transfobia tem que terminar! Exigimos justiça! Exigimos que os crimes de ódio LGBTfóbico sejam tipificados com crimes de ódio no Código Penal brasileiro!

Em memória as 45 pessoas trans já mortas em 2018, aqui vai a lista desta tragédia!

1) Fanny, morta a tiros em Belém do Pará, em 3 de janeiro.
2) C. Sobral (19 anos), morta a tiros em Feira de Santa na Bahia, em 5 de janeiro
3) Travesti não identificada, morta a facadas em Brasília, em 5 de janeiro
4) V. Peixoto (30 anos), morta por espancamento em Piripiri, no Piauí, em 9 de janeiro
5) Carol, morta a tiros em Tanguá da Serra, no Mato Grosso, em 17 de janeiro
6) Kelly, morta a tiros em Belém do Pará, em 20 de janeiro
7) Julia (37 anos), morta a facadas em Várzea Grande, em 21 de janeiro
8) Lohane, morta a facadas em Governador Newton Bello, no Maranhão, em 24 de janeiro
9) Dayane Rios, morta a tiros em São Bernado do Campo, São Paulo, em 26 de janeiro
10) Raquel (22 anos), morta apedrejada em Recife, Pernambuco, em 27 de janeiro
11) Samira, morta a facadas em Aracaju, Sergipe, em 29 de janeiro
12) Natalia Ketlyn (24 anos), morta a tiros e pedradas em Campos Altos, Minas Gerais, em 1 de fevereiro
13) Aninha (22 anos), morta decapitada e com os órgãos genitais mutilados em Colatina, no Espírito Santo, em 2 de fevereiro
14) Heimilly (18 anos), morta a facadas em Garanhus, Pernambuco, em 6 de fevereiro
15) A. S. Silvério (18 anos), morta a tiros em Santo Antão, Pernambuco, em 8 de fevereiro
16) Lohan (17 anos), morto espacado em Vitória, Espírito Santo, em 8 de fevereiro
17) Milonga (47 anos), morta a tiros em Pacajus, Ceará, em 9 de fevereiro
18) Nayra Winston (28 anos), morta a tiros em Rio Largo, Alagoas, em 10 de fevereiro
19) Dominique, morta por espancamento e cortes em Uberlândia, Minas Gerais, em 10 de fevereiro
20) travesti não identificada, morta a tiros em Fortaleza, Ceará, em 11 de fevereiro
21) Keila, morta a tiros em Poções, Bahia, em 12 de fevereiro
22) Bruna, morta a tiros em Belém do Pará, em 12 de fevereiro
23) travesti não identificada, morta com 27 tiros em Manaus, Amazonas, em 13 de fevereiro
24) Pérola, morta a tiros em São Paulo capital, em 14 de fevereiro
25) Layla Oliveira (18 anos), espacanda e torturada em Ribeirão Preto, São Paulo, em 18 de fevereiro
26) Amanda Rios (19 anos), morta a tiros em João Pessoa, na Paraíba, em 19 de fevereiro
27) Rayana Ribeiro, morta a facadas em João Pessoa, na Paraíba, em 20 de fevereiro
28) Bia Rocha, morta a tiros em Recife, Pernambuco, em 22 de fevereiro
29) Thyara Werness (26 anos), morta a tiros em São Gonçalo, Rio de Janeiro, em 22 de fevereiro
30) Fernanda Caetano (22 anos), morta por arma branca em Lapa, Paraná, em 23 de fevereiro
31) Pitty, morta a tiros em São Mateus, Espírito Santo, em 27 de fevereiro
32) Xandinha, morta a tiros no Rio de Janeiro capital, em 1 de março
33) Samyelli Castro, morta a tiros em Cachoeirinha, São Paulo, em 4 de março
34) Palola (34 anos), morta a tiros em João Pessoa, na Paraíba, em 4 de março
35) Pamela (18 anos), morta a pauladas em Craíbas, Alagoas, em 9 de março
36) Thalita (44 anos), morta a facadas em Barra do Garças, Mato Grosso, em 13 de março
37) L. Oliveira de Souza (28 anos), morta a tiros em Vila Velha, Espírito Santo, em 16 de março
38) Mulher transexual não identificada, morta por tiros, encontrada no mar com mutilações nos seios, em Rio de Janeiro capital, em 17 de março
39) Naza (45 anos), morta a tiros em Ananindeua, Pará, em 19 de março
40) Bruna Gabriel (19 anos), morta a tiros junto com Naza em Ananindeua, Pará, em 19 de março
41) Paola Oliveira (35 anos), morta a tiros em Luziânia, Goiás, em 21 de março
42) Alanis Burgo, morta estrangulada em Pelotas, Rio Grande do Sul, em 22 de março
43) Giorginye Siqueira (26 anos), morta a tiros em Aparecida de Goiânia, Goiás, em 23 de março
44) Daniela Santos (17 anos), morta a facadas em Ibicaraí, Bahia, em 23 de março
45) Hilda, morta a tiros em Barbalha, Ceará, em 25 de março