[RESUMO GERAL DA BAHIA] Corte de verba pode ter ligação com convicções religiosas

20 de dezembro de 2017 15h16

Coincidência ou não, o fato é que o corte de verba anunciado pelo bispo licenciado da Igreja Universal e atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), atinge diretamente dois dos principais eventos culturais do estado: o Carnaval e a Parada do orgulho LGBT. A atitude adotada por Crivella tem provocado dificuldades para a viabilização das comemorações.

A Riotur afirmou que a solução encontrada para compensar o corte de 50% da verba destinada aos desfiles das escolas de Samba, será a de buscar parcerias com a iniciativa privada.

A prefeitura confirmou que não vai repassar recursos para a Parada LGBT de Copacabana, prevista para outubro. A parada de Madureira, prevista para 16 de julho, que também contava com obtenção de verba pública até 2016, até agora ainda não conseguiu os R$ 370 mil necessários para o evento.
Apesar da justificativa apresentada pela prefeitura para o corte da verba esta ligada a um rombo estimado em R$ 4 bilhões, a oposição contesta e acredita que as decisões estão relacionadas com o “fundamentalismo religioso” do prefeito, que condena a comunidade LGBT e o Carnaval.
“O prefeito está deixando as convicções religiosas dele interferir”, afirmou o David Miranda (PSOL).