Crivella quer jogar uma bomba no fim de ano do Rio de Janeiro

12 de dezembro de 2017 18h17

Prefeitura atropela Rio de Janeiro e muda regimento da Câmara para aprovar pacote de projetos sem qualquer discussão com vereadores e a população.

É um absurdo inaceitável o que está acontecendo na Câmara do Rio neste fim de ano. A Prefeitura do Rio está enviando 18 projetos – a maioria, muito polêmicos – para serem votados em apenas uma semana, sem qualquer tempo para a discussão com os vereadores e, ainda mais importante, com a população da cidade. Alguns projetos ainda nem foram apresentados e poucos têm pareceres das Comissões da Casa.

O que os projetos têm em comum? Atacam a população enquanto favorecem grandes empresários. Crivella é mais do mesmo em muitos casos.

A “pressa” e o desrespeito estão indo tão longe que a base da Prefeitura já conseguiu, com sua base, alterar o regimento da Câmara para agilizar votações no Legislativo Municipal.

Nós, da bancada do PSOL 50, vamos lutar para evitar essa agressão!

PROJETOS URBANOS QUEREM CONSTRUIR CUBÍCULOS PARA POPULAÇÃO ENQUANTO VENDEM GRANDES ÁREAS PARA EMPREITEIROS

Crivella foi a Dubai oferecer a região das várzeas a milionários árabes.

A Prefeitura apresenta um novo código de obras que permite a construção e venda de cubículos com 10 metros quadrados e sem separação entre cozinha, quarto e banheiro. O projeto tem a assinatura do secretário de Habitação Índio da Costa, justamente um milionário que mora numa imensa mansão!

A Prefeitura quer ainda aprovar uma nova Lei de Uso e Ocupação do Solo feita para agradar empreiteiras e imobiliárias. Crivella tem viajado o mundo inteiro justamente para oferecer diferentes localidades da cidade com o objetivo de mercantilizá-las, como no caso da região das Vargens.

TAXAÇÃO DOS INATIVOS – OU REFORMA DA PREVIDÊNCIA DE CRIVELLA

Ninguém duvida dos efeitos da crise econômica nos cofres da prefeitura. Mas alguém acredita que os servidores municipais, e especialmente os aposentados, são culpados pela crise ou por essas dívidas?

Crivella quer cortar direitos dos servidores: acabar com a integralidade dos salários, com a paridade de reajustes entre trabalhadores aposentados e da ativa e quer taxar em 11% os inativos. E quer fazer isso através de decretos (fim da paridade e integralidade) e enviando um projeto de lei para ser votado na Câmara sem qualquer discussão (a taxação).

Parceria Público Privada da Rioluz – ou Privatização da Iluminação Pública do Rio, bem ao gosto do empresário

A mais nova privatização de serviços foi enviada para a Câmara de Vereadores relacionando dois projetos: um que autoriza a prefeitura a delegar à iniciativa privada os serviços de iluminação pública e outro que reestrutura a Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública – a COSIP. A alteração da COSIP é, na verdade, uma maneira de garantir a remuneração do parceiro privado.

Crivella, nesta semana mesmo, se reuniu com os chineses para tratar da transação. Também nesta semana, uma reunião na Câmara trouxe técnicos da Prefeitura para explicar detalhes. Mas o projeto está tão confuso que os vereadores ainda precisam de muito tempo para debater.

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

O Plano Municipal de Educação já devia ter sido devidamente elaborado e votado há anos. Mas desde Paes e agora com Crivella, o executivo municipal não aceita fazer uma discussão séria e democrática, envolvendo estudantes, pais e trabalhadores em educação. Os ataques de arrogância do atual Secretário de Educação, César Benjamin, tentando desqualificar o Sindicato, demonstram o espírito antidemocrático reinante na Prefeitura.

As mais de 200 emendas apresentadas ao plano, assim como as contribuições da comunidade escolar, não serão sequer discutidas se o PME for votado a toque de caixa como querem o prefeito e seus vereadores. Nunca teremos uma educação emancipadora se suas diretrizes são elaboradas de forma pouco democrática e votadas com uma faca no pescoço e um pires na mão.

 

 

PACOTE DE MALDADES: NÃO PASSARÁ

Usaremos todos os expedientes legais ao nosso alcance para obstruir as tentativas de golpe na Câmara! Convocamos a classe trabalhadora do Rio de Janeiro a se manter em alerta para impedir que a prefeitura e seus aliados empresariais aprovem na marra seus projetos no apagar das luzes de 2017.

Chega de vender a cidade, de PPPs e de benefícios para os ricos e maldades contra os trabalhadores! Juntos resistiremos: NENHUM DIREITO A MENOS!