O melhor do jornalismo de favela no Rio em 2017

28 de novembro de 2017 19h23

Em celebração ao Novembro Negro, listamos os trabalhos mais impressionantes do jornalismo de favela do Rio de Janeiro em 2017 (segundo a nossa equipe).

PM manda jornalistas tomarem no cu por denunciarem invasão de moradias no Alemão. Foto: Coletivo Papo Reto

A comunicação e o avanço das tecnologias têm um papel fundamental na vida do favelado. Hoje, com uma página na internet, felizmente, todos podem fazer jornalismo. O mais importante é que agora ele não precisa somente vir de fora. Agora é possível fazer de dentro, da favela, com verdade, sensibilidade e legitimidade. A informação é uma arma poderosa, que, fatalmente, sempre esteve na mão de poucos. Informação é poder. Neste mês em que estamos mobilizados a falar de iniciativas de resistência da população negra do Rio, é essencial falar das mais emblemáticas iniciativas do jornalismo no que diz respeito à comunicação independente e comunitária.

Não se trata de um ranking, apenas uma lista daquelas produções que mais chamaram atenção da nossa equipe durante esse ano de 2017.

voz das comunidades

Em maio deste ano, depois de uma semana de intensos tiroteios no Complexo do Alemão, zona norte da cidade, a galera do jornal comunitário Voz das Comunidades foi ao calçadão do Leblon, bairro da zona sul, levando os sons de guerra. Os repórteres perguntaram de onde eram os sons. “Afeganistão”, ”Iraque”, ”Síria”, foram as resposta. No entanto, na verdade, os perturbadores sons eram de uma guerra no Complexo do Alemão.

maré vive

É angustiante acordar bem cedo, ainda antes das 6h, entrar no Facebook e ver um post da Maré Vive. Pode ser apenas um desejo de bom dia, mas pode ser também o anúncio de um dia de terror para o complexo. Como foi no caso de 31 de outubro.

ATENÇÃO!!!Cuidado ao sair ou entrar na Favela!Informações de Operação entre PU RV e NH, procede Morador? Caveirão baqueando, fogos e tiros.Vanos nos Comunicar!

Posted by Maré Vive on Tuesday, October 31, 2017

Quando o recado é assim, pode ter certeza que a caixa de comentários do post vai se transformar numa tristíssima cobertura, em tempo real, dos tiroteios na favela. Trabalhadores, crianças, idosos: todos relatam a mais perturbadora das realidades cariocas.

‘Tem tiros atravessando minha casa no parque união. me ajudem em oração por favor
 31 de outubro às 05:45

Mt mt mt tiro aqui na porta da minha casa caverão bem msm na porta da minha casa pprt mds to atras da cama com minha filha senhor mim proteja
31 de outubro às 05:45

Eu estou tão nervosa que já até tomei diazepan pq minha pressão sobe muito aí eu passo muito mal
31 de outubro às 05:35

O blidado ta passando aqui na Ponte agora p.u
31 de outubro às 05:24 ” 

À medida que a operação vai evoluindo, a página vai divulgando fotos, vídeos e informações – sobretudo, infelizmente, de mortos e feridos.

Para quem está de fora, é uma excelente oportunidade para saber o que se passa em uma favela sob intenso ataque das forças policiais. Para quem está lá dentro, ou precisa ir à Maré, serve como prestação de serviço mesmo.

coletivo papo reto

O Complexo da Alemão, na zona norte do Rio, é sempre uma das áreas que mais sofre com invasões policiais e agressões. Uma das comunidades mais violentadas pelo Estado. Na luta contra os desrespeitos, sobretudo aos moradores, o Coletivo Papo Reto toca um trabalho incrível de jornalismo na comunidade, disseminando para o resto da cidade e visibilizando, sobretudo, as muitas violências contra os favelados.

Este ano, eles realizaram uma cobertura histórica, corajosa. Foi quando policiais militares passaram a invadir a casa de moradores para usar como base militar avançada. Através da página do Facebook, os jornalistas e moradores denunciaram, inclusive, roubos de seus pertences. O papo é: Respeita morador!

CLIQUE E CONFIRA

O trabalho foi tão bem feito que repercutiu em órgãos de imprensa cada vez maiores. Extra, O Globo e diversos outros veículos, tardiamente, começaram a expor esse abuso. O caso chegou na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que chamou uma audiência pública, na sede da Defensoria. Foi uma tarde histórica! Um dos líderes do coletivo, Raull Santiago, pediu a prisão do tenente-coronel da PM Marcos Borges na frente dele, após o PM admitir que invasão de casas no Alemão foi “estratégica” para a implantação de uma base blindada.

Todas as denúncias surtiram efeito e o Ministério Público abriu investigação contra os policiais.

Raull Santiago pede a prisão de tenente-coronel que admitiu crime no Alemão. Foto: Mídia Ninja

 

Coletivo Fala Akari

A mobilização mais marcante e, possivelmente, mais dolorosa do ano do Coletivo Fala Akari foi em março deste ano. O Coletivo, tocado por moradores e moradoras da favela de Acari, na zona norte do Rio, dolorosamente, fez a cobertura do caso de Maria Eduarda. A adolescente de apenas 13 anos foi vítima de uma bala achada da Polícia Militar enquanto participava, dentro da escola, da aula de educação física. MARIA EDUARDA PRESENTE!

PÁGINA DO FACEBOOK

Agência nacional de favelas

A ANF – Agência de Notícias das Favelas foi lançada pela ONG Casa da Cidadania, com o intuito, sobretudo, de trazer as pautas das favelas.

É um patrimônio do jornalismo de favela brasileiro e mundial. Reconhecida como a primeira agência de notícias da favela de todo o mundo, foi criada em 2001.

No site ou nas redes sociais, a ANF sempre traz informação de qualidade de dentro da favela. A ONG também é responsável pelo jornal A Voz da Favela, que, todos os meses, corre as ruas do Rio de Janeiro, sempre com vendedores muito simpáticos, que incentivam uma contribuição voluntária.

No início de novembro, a Agência recebeu a Medalha de Mérito Pedro Ernesto, mais importante comenda oferecida pela Câmara dos Vereadores do Rio a pessoas ou organizações de destaque na cidade. A iniciativa foi do vereador Leonel Brizola Neto (PSOL).

Neste ano, entre as muitas reportagens, notinhas e prestação de serviço, destaque para a publicação de uma pesquisa, realizada pela ONG Redes da Maré em parceria com a instituição britânica People’s Palace Projects, da Queen Mary University Of London. Esta pesquisa apontou que 75% dos moradores da Maré reprovavam a ocupação das Forças Armadas no Complexo da Maré entre 2014 e 2015.

A reportagem trouxe detalhes do por quê o povo da Maré detestou a ocupação dos militares! Vale muito a leitura!

75% da Maré desaprova ocupação do Exército de 2014

Moradores reprovam uso das Forças Armadas na Maré. Foto: Diego Jesus / ECOM

defezap

O Defezap é um ferramenta fundamental para moradores e moradoras de favela do Rio. O aplicativo é um sistema de denúncia contra qualquer violência de estado que, como sabemos, assombram, diariamente, o favelado – sobretudo, o jovem. Desde tapa na cara à invasão das casas, o aplicativo recebe vídeos e as autoridades responsáveis são cobradas oficialmente, sem que a vítima, necessariamente, precise se identificar.

Ano passado, depois de moradores da Cidade de Deus enviarem materiais que evidenciavam o abuso policial em revistas, a justiça determinou que, imediatamente, as revistas parassem na Cidade de Deus. Uma vitória do morador. É a tecnologia usada a nosso favor.

SITE DEFEZAP

IPACS

O Instituto de Políticas Alternativas para o Cone Sul não é, exatamente, um coletivo de favela, mas tem produzido diversos materiais fundamentais para se entender a favela nos dias de hoje. Em 31 de julho, o IPACS publicou uma revista de grande importância para a discussão das favelas do Rio de Janeiro, um ano após os Jogos Rio 2016.

A publicação se chamou “Qual o legado da Olimpíada um ano depois dos Jogos?” A resposta: dívidas para o Estado, remoções de comunidades, militarização de comunidades desrespeito com os indígenas, com os atletas, professores, com a fauna e a flora e desvios de dinheiro.

BAIXE A REVISTA

No lançamento da revista, verdadeiras heroínas olímpicas estiveram presente. Dona Maria da Penha teve sua vila, a Vila Autódromo, destruída para um projeto eugenista. Edneida Freire Freire perdeu sua casa, o estádio de atletismo Célio de Barros – inexplicavelmente, destruído na corrupta reforma do Maracanã. Gizele Martins sofreu com as remoções e com a militarização no Complexo de Favelas da Maré, rota de chegada dos turistas ao Rio de Janeiro.

JORNAL “O CIDADÃO” DO BAIRRO MARÉ

Fundado em 2000 como projeto da ONG Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (Ceasm), o principal foco do jornal O Cidadão era explorar e criar uma identidade local entre as 16 favelas da Maré.

O jornal é o berço profissional de uma das mais importantes jornalistas de favela do Rio de Janeiro, Gizele Martins, uma das figuras mais atuantes em debates e palestras sobre a violência do Estado nas favelas da cidade. Ela teve especial destaque na denúncia da ocupação da Maré em 2014, com foco na Copa do Mundo e nos Jogos Olímpicos.

Em setembro, Gizele foi homenageada com a Medalha Pedro Ernesto, a mais alta comenda da Câmara de Vereadores do Rio. A iniciativa foi do vereador Renato Cinco (PSOL), que aproveitou a oportunidade e fez um belo evento no Museu da Maré.

O jornal tem se dedicado mais a notas curtas, tweets e matérias curtas. No entanto, em agosto, fizeram uma completa cobertura da homenagem a uma grande escritora brasileira negra: Conceição Evaristo. Ela recebeu, na Câmara Municipal, a Medalha de Mérito Pedro Ernesto, que vereadoras e vereadores da cidade concedem a personalidades que se destacam na cidade.

RIO ON WATCH

Nascido em 2010, o RioOnWatch é uma iniciativa de ONGs dos EUA e do Brasil interessadas em criar um veículo para a publicação das perspectivas dos organizadores comunitários, moradores, observadores internacionais e pesquisadores sobre as rápidas transformações urbanas que caracterizaram o Rio pré-Olímpico. Passada a Olimpíada, a Rio On Watch segue realizando muitas boas reportagens sobre o que se passa nas favelas do Rio de Janeiro.

No dia 1 de novembro, o grupo lançou uma reportagem muito completa sobre o ataque de Marcelo Crivella à comunidade de Rio das Pedras, que sofre ameaça de ser demolida para a construção de um delirante projeto de condomínio de prédios, que pode significar a remoção de até 100 mil pessoas.

‘Não Haverá Nenhuma Remoção’: Rio das Pedras Ganha Batalha, Enfrenta Outra

cdd acontece

Neste mês de outubro, um outro caso de desrespeito à integridade humana da favela se materializou com a morte da diarista Marisa Carvalho Nóbrega, 48, moradora da comunidade da Cidade de Deus, na zona oeste da cidade. Ao tentar defender seu filho de 17 anos da abordagem policial, recebeu uma coronhada com um fuzil e, após alguns dias, morreu no hospital Salgado Filho.

A página CDD ACONTECE noticiou o fato com toda a ênfase que o caso merecia, trazendo a fundamental informação de que Marisa apanhou dos PMs antes de morrer.

ROCINHA EM FOCO

Em resposta a tiroteios na favela da Rocinha, que fica na zona sul da cidade, em outubro deste ano, as Forças Armadas ocuparam a região por mais de dez dias. Antes mesmo da grande mídia noticiar, os moradores da favela relatavam, por meio da página do Facebook, abusos por parte dos policiais militares – sobretudo, do Batalhão do Choque.

Em 28 de outubro, um caso gravíssimo chocou e mobilizou muitos moradores. Um motociclista da favela teria sido baleado e depois atropelado pelos carros dos policiais. Segundo os moradores, o trabalhador estava com fones de ouvido e não ouviu os policiais o chamarem. Além deste caso, moradores também relataram agressões: mãos, pés, joelhos e cotovelos machucados. As denúncias culminaram na obrigação da grande mídia pautar a violência policial no período de ocupação militar.

 

 

MÍDIA INDEPENDENTE COLETIVA

O MIC também não é um veículo dedicado apenas às lutas das favelas do Rio de Janeiro. São presenças certeiras em todo o tipo de manifestação democrática pelas ruas do Rio de Janeiro. De toda a forma, por diversas vezes, o grupo se dedica às pautas das favelas.

Em abril deste ano, eles publicaram o documentário do assassinato de um jovem, no trem da Supervia, por parte de policiais militares. Quem conta a história são os seus pais, Gilmara e Claudio e os advogados Rodrigo Mondego e Mariana Rodrigues.