Animação sobre amor homoafetivo na escola encanta a internet

03 de agosto de 2017 18h00

RIO — Uma animação que mostra o sofrimento de um menino que está apaixonado por um coleguinha de escola está fazendo sucesso na internet. Desde que foi publicado no YouTube, há apenas três dias, o curta “In a Heartbeat”, de Beth David e Esteban Bravo, alcançou mais de 11 milhões de visualizações. Em entrevista à NBC, a dupla contou que a ideia surgiu num projeto de conclusão de curso na Ringling School of Art, na Flórida, e só se tornou realidade após uma campanha de financiamento coletivo.

Gays muçulmanos se casam no Reino Unido e contam saga para conciliar fé e sexualidade
‘A comunidade LGBT está sendo expulsa das escolas’, diz ativista pelos direitos humanos
— A história original era sobre um menino e uma menina — contou Beth, à NBC News. — Mas foi apenas quando colocamos uma paixão do mesmo gênero que a ideia realmente começou a tomar forma e tocou a mim e ao Esteban. Então percebemos que tínhamos algo que potencialmente poderia ser muito especial para nós.

A ideia também inspirou milhares de internautas, que contribuíram para a dupla levantar US$ 14 mil num site de financiamento coletivo, em dezembro do ano passado. Com recursos, a dupla tocou o projeto. O trailer, divulgado no início do ano, viralizou nas redes sociais, com mais de um milhão de visualizações. O filme completo, que acabou de ser lançado, foi além.

Para Beth e Esteban, a esperança é que o curta inspire grandes produtoras a abordarem o tema, desafiando o conservadorismo em filmes voltados para o público infantil. Na última versão de “A bela e a fera”, a Disney colocou um personagem gay. Censores da Malásia exigiram que cenas fossem removidas para que o filme fosse exibido no país, e na Rússia ele foi classificado para maiores de 16 anos.

— Houve alguns acenos da comunidade LGBT na programação infantil recentemente, mas é muito raro que um personagem LGBT tenha destaque. Especialmente em um meio como a animação, que é orientada predominantemente para crianças e famílias — disse Esteban. — Com “In a Heartbeat, nós quisemos desafiar a noção preconceituosa de que conteúdo LGBT não é apropriado ou adequado para públicos mais jovens. É apenas uma história inocente e doce sobre um menino e sua paixão.
Os dois admitem terem recebido uma pequena quantidade de críticas negativas, mas o sucesso mostra o desejo do público por animações como “In a Heartbeat”.

— Quando lançamos a página na internet, recebemos críticas vindas da parte estranha e raivosa da internet — disse Beth. — Mas pálidas em comparação com as mensagens gentis e compassivas que recebemos.

—O sucesso mostra que o público está pronto e desejando esse tipo de conteúdo — concluiu Esteban.